BOM NATAL – 26/12/16

bom-natal

O Natal é a festa da família…, da família sim, desde que compre… compre… compre alguma coisa, qualquer coisa, o comércio agradece.

Entendo que no Natal, as crianças esperam algum brinde… alguns brinquedos.

Não entendo porém, o festival de besteiras que se “trocam” entre adultos; cada um dele tem o seu “natal”, o seu aniversário, que se concentre neste específico Natal particular toda a volúpia de presentear.

Talvez eu esteja errado, será que é justamente esta troca de presentes que seria “o espírito de Natal…; será?” e a “paz na terra aos homens de boa vontade?” e o “a mais uns aos outros”, onde ficam?

Será que o comércio, comércio a atacado e comércio a varejo, alterou a mensagem natalina ou somente aproveitou a oportunidade?

Não sei.

Somente sei, que não existem desculpas para o insosso “Black Friday”.

E falando em “Black Friday”, “Halloween” e outras frescuras americanas (lícitas lá, de duvidosa licitude aqui) porque não copiamos os bons costumes americanos como por exemplo, votar para chefe de polícia, diretor da escola, etc?

Copiar pode-se, somente evidentemente as coisas boas.

Por exemplo, copiou-se e bem, o panettone natalino de Milão.  Tornou-se o doce tradicional do Natal brasileiro.

O panettone Bauducco competia com os panettones Motta e Alemanhã da Itália; a única diferença detectável era que o Bauducco era um pouquinho mais doce…, isso para mim, não era defeito, era uma qualidade a mais… era.

Atualmente vieram os “chocotones” e já dominam o mercado.

Até a Bauducco; “até tu Bauduccus” diria Julio Cesar, até ser presenteado por tal horror.

É um horror, eu o chamaria de lixotone, não porque não seja gostoso, mas simplesmente, porque, em comê-los, suja tudo, mãos, boca, talheres, prato, guardanapo, toalha, copos e taças, tudo fica “chocotonado”.

Se tiver crianças e, quase sempre tem, a situação piora, são as cortinas, os sofás que são “chocotonados”, e também o controle da TV, as maçanetas, os umbrais das portas, e até o retrato da tia Maria, no qual ninguém mexia a anos.

Mas não é somente deste crime que a Bauducco (e talvez todas as demais, mas eu só comprava Bauducco) é culpada, mas de outro mais grave. O panettone tradicional contém pedaços de fruta cristalizada (laranja, cedro, uva passa, etc). Agora esta fruta cristalizada somente está na fotografia da caixa; dentro somente uva passa… e não da melhor qualidade.

“Até tu Bauduccus!”

Não ter fruto cristalizada, no Brasil um dos maiores produtores mundiais de frutas cítricas, é uma aberração.

Faço uma ameaça mortal a Bauducco (e outros fabricantes) se no Natal de 2017 não tiver Panettone tradicional com fruta cristalizada, sabem o que vou fazer… sim, impiedosamente e cruelmente, sabe o que faeri…?

Não compro o panettone.

Bom Natal 2017.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *