VOLTANDO DA EUROPA – 1 – 11/11/16

voltando-da-europa-1

Sim, cansei de torcer pela Europa.

O grande problema que a aflige é o da entrada dos africanos – via Mediterrâneo e dos sírios via Turquia, são já da ordem de milhões, deduzidos os mortos.

Acho incrível que, a totalidade da imprensa, mostra a tragédia, mostra as peripécias para chegar, até conta os mortos mas… não li (pode ser que alguém levantou a questão) não li, dizia, e não ouvi de ninguém, que para estancar a questão, seria necessário tão somente.

a)     Acabar com a ditadura Assad na Síria.

(os EUA dizem sim, a Rússia diz não).

b)    Acabar com o Estado Islâmico

(EUA fazem que sim. A Rússia finge que sim, mas na realidade massacra os rebeldes anti Assad)

c)    Para os africanos que queiram emigrar, se aceitos, devem optar pelo país colonizador.

• Eliopes, Somali e Eritreus (estes últimos sempre bem vindo) para a ITÁLIA;

• Os países francófonos, iriam para a França;

• Os países anglofonos para o Reino Unido;

• Os países de língua portuguesa para Portugal.

E oila! Está resolvido o problema com certa equidade.

Sendo que a Alemanha não tinha, no século XX, colônia, fica isento da obrigação, mas pode, como já está fazendo a Angela Merkel, contribuir.

Em outro meu panfleto advogava que, um país, europeu “podia” receber refugiados, mas que “contabilizaria” a assistência que propiciava a, digamos, 50 euros dia/imigrante.

Mensalmente, o Diário Oficial do país europeu em questão publicava, o valor do mês que o país africano devia ao país europeu a este título. E, evidentemente, o país africano, pobre (1), não pagaria.

Esta clareza da situação porém, seria o introito necessário para uma base de discussão entre os dois países. A meta, seria remover as CAUSAS que obrigam estes coitados a fugir do próprio país.

 

(1)         Na grande maioria, são pobres os países, não os seus dirigentes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *